Milagres? Sim eles existem…

A displasia da anca é uma doença que afecta a articulação coxo-femoral , também denominada da anca. Esta articulação é formada pela cabeça do fémur e a cavidade acetabular dos ossos da bacia, e é responsável pela transmissão das forças da coluna vertebral pelo membro posterior até ao solo quando o animal anda ou corre.

A displasia da anca é uma doença hereditária e genética, embora alguns factores ambientais possam contribuir para uma maior expressão da doença em animais com genes para a displasia da anca.
Para o desenvolvimento da doença é necessário que o animal tenha genes para a displasia da anca.
Os graus atribuídos na classificação da displasia da anca em Portugal são os graus definidos pela Federação Cinológica Internacional e que se identificam por letras: A, B, C, D, E.
Os graus A e B são animais sem sinais radiográficos de displasia da anca, os graus C, D, e E correspondem a animais com sinais de displasia da anca. O grau C corresponde a displasia ligeira, o grau D displasia moderada e o grau E displasia grave.

 

Quando obtive a Kuka foi-me informado que os pais da mesma nunca tiveram este problema no entanto ambos não tinham feito exame de despiste de displasia. Como o Pedigree do pai era bastante bom nunca tive tive qualquer duvida em relação à possibilidade do mesmo ter displasia, já a mãe não era uma certeza mas como ambos os cachorros me pareciam fisicamente bem nunca tive duvidas sobre a possibilidade da Kuka ter displasia…

No entanto na passada semana caiu-me o céu na cabeça. Fui informado pela atual proprietaria do pai da Kuka, à qual agradeço bastante este gesto, que lhe tinah efectuado o exame de despiste e o mesmo continha Grau E de displasia… Só para recordar a citação acima: “…o grau E displasia grave.”.

Pois é… Havia uma probabilidade exageradamente grande da Kuka também sofrer do problema… Escusado será dizer que foram dias de agonia… Será que a pequenita ia sofrer bastante? O tratamento seria complicado? ALgo me decidi logo… Fazer o exame de despiste e tratar logo a doença para que pudesse dizer que fiz tudo o que podia por ela…

Entre questões aqui e ali não aguentei e tive de marcar um exame o mais rapido possivel… A incerteza era demais para viver com ela… Tinha uma pequena esperança que o exame do pai dela fosse trocado ou algo parecido mas esta hipotese era minima…

No sabado de manha pelas 10.30 encontrava-me, juntamente com um amigo que tem um irmão da Kuka e também era parte interessada na conclusão do exame, em frente ao Hospital Veterinário do Porto. Tinha consulta com o Dr Mario Santos para as 11. Fui atendido antes da hora e o Dr Mario pareceu-me ser uma pessoa 5 estrelas… Lá deixamos a Kuka a fazer o exame que deveria demorar à volta de 20 minutos…

40 passaram e nada.. ainda sem resposta da pequena até que no seguimento de outro caso clinico o Dr Mario apareceu e, ainda hoje e sei que sempre, recordo as palavras dele “Ela já está a acordar, não é nada grave não se preocupe…” A verdade é que se por um lado estava aliviado por outro estava nervoso, não é grave mas é algo.. será que poderia ser um Grau D que se desenvolvesse para Grau E? As perguntas eram demais…

Lá fomos atendidos… Vi a minha pequena ainda com mais força que antes, feliz de me ver deu para reparar… Fui então informado pelo Dr Mario que a Kuka tinha Grau B de displasia, não é grave… Segundo a FCI o Grau B seria “Ausencia de Displasia” no entanto como o exame “oficial para o CPC” apenas deve ser realizado após 12 meses fui alertado pelo Dr Mario a evitar excessos de exercicio, as corridas que davamos juntos e a brincadeira com a bola terão de acalmar por mais 5 meses.

Neste momento senti um enorme alivio na mente… Apesar do Pai ter grau E a minha pequena estava boa, cheia de energia e pronta para a brincadeira… Acredito piamente que foi um pequeno milagre que aconteceu.

O meu colega decidiu então levar também o irmão da Kuka.. O caso dele admito que era mais chato, pois o cão já tinha mancado há algum tempo atrás e o medo dele era maior…

De tarde lá fizemos outra viagem, como tinha consulta de oftalmologia com a Lassie no Hospital Veterinário Montenegro levamos os dois e ele ficou a fazer o exame dele enquanto fui a consulta da Lassie, correu bem esta ultima, as cataratas estão a avançar ao ritmo normal infelizmente… Mas é algo que já estamos prontos para lidar.

Quando regressamos o meu colega estava à 1 hora à espera… “Algo se passa estão a demorar muito” dizia ele…

A verdade é que pouco tempo depois de lá chegarmos estava ele já a entrar para o consultorio, infiltrei-me e fui com ele saber o resultado…

Vou ser sincero fiquei extremamente feliz com a cara dele quando o médico lhe disse que o Ralph estava com um Grau B, quase a chegar ao A e estava em perfeita forma… Era um alivio, quer para ele e para mim também pois ia-me sentir um pouco mal se a Kuka não tivesse nada e ele sim tivesse algo…

Tudo correu bem.. foi um dia intenso sem duvida mas tenho a certeza que se deram ali dois pequenos milagres com os nossos meninos… Agora basta acalmar no exercicio e daqui a meio ano +- ir fazer o exame final para ver se estabilizou assim…

Leave a Comment